21 de setembro de 2012

Um dia daqueles


O despertador tocou as 05h45. O Sr. Pintieras levantou-se, sentou na beira da cama. Desligou o despertador e disse para si mesmo em voz baixa:


- Hoje vai ser um dia daqueles.
- O que disse querido? Perguntou sua esposa.
- Nada não querida.

Acordou seus filhos, tomou um banho. Depois foi tomar café, sempre pensativo. Deixou as crianças na escola e se dirigiu ao trabalho da esposa. No desembarque trocaram um beijo instantâneo. Ela o lembrou que no final de semana tinham que ir assistir a uma peça de teatro na escola. Ele concordou meneando a cabeça.

Quando chegou ao prédio do escritório em que trabalhava cumprimentou o porteiro com um aceno de mão. Passou pela sua secretária disse bom dia e depois em voz baixa:

- Hoje vai ser um dia daqueles.
A secretária perguntou:
- O que disse senhor?
- Nada não.

Passou a manhã conferindo relatórios, fazendo algumas ligações, montando planilhas. Na hora do almoço foi com seu chefe e o colega de trabalho almoçar em um restaurante. Conversaram sobre ações, Big Brother, futebol, sobre quem saiu na revista masculina do mês. Lembraram-no sobre a pelada no final de semana. Ele já ia concordando, mas lembrou-se que teria de ir ao teatro assistir uma peça dos filhos.

A tarde conferiu mais alguns relatórios, fez algumas ligações, montou algumas planilhas. Foi para uma reunião as 17h00. Depois de terminada a mesma, passou em sua sala, pegou sua pasta, seu paletó e apagou as luzes. Ao passar pela secretária, esta disse:

- Tenha uma boa noite Sr. Pintieras.
- Você também Zuricleide. Mande um abraço para sua mãe.

No caminho ouviu um cd dos Carpenters no carro. Chegando em casa brincou com seus filhos. Conferiu a tarefa deles. Jantaram. Foi para frente da TV com a esposa e os filhos. Degustou uma dose de whisky com gelo.

Depois de colocar as crianças na cama, sua esposa perguntou se não poderiam fazer amor. Ele dizia que estava meio cansado. Ela falou que tudo bem e fez alguns afagos nele. Ao examinar a expressão de tristeza em seu rosto, levantou-se pegou nas mãos dela. Foram para cama. Se amaram durante sete minutos.

Na hora de dormirem ela beijou-o no rosto e desejou uma boa noite. Ele devolveu o cumprimento, virou-se para o lado e disse em voz baixa:

- Amanhã vai ser um dia daqueles.
- O que disse querido?
- Nada não, querida.


Guilherme Palma 

* Publicado originalmente em 18/12/2008 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui sua opinião. Critique, comente a vontade. Comentários com palavrões serão excluídos.